Franciscanos Seculares em Natal

Estruturada a partir de Fraternidades Locais, a Ordem Franciscana Secular compõe-se de pessoas que, assumindo sua condição de batizados, propõem-se a, no estado secular, seguir o Evangelho conforme o exemplo de São Francisco, observando a Regra e Vida da OFS. A Fraternidade São Francisco de Assis integra a Família Franciscana do Brasil e fica na Cidade Alta (Centro), em Natal-RN. Foi a primeira da cidade.

Levar o Evangelho à Vida

"Hoje que a Igreja deseja viver uma profunda renovação missionária, há uma forma de pregação que nos compete a todos como tarefa diária: é cada um levar o Evangelho às pessoas com quem se encontra, tanto aos mais íntimos como aos desconhecidos. É a pregação informal que se pode realizar durante uma conversa, e é também a que realiza um missionário quando visita um lar. Ser discípulo significa ter a disposição permanente de levar aos outros o amor de Jesus; e isto sucede espontaneamente em qualquer lugar: na rua, na praça, no trabalho, num caminho." (Evangelii Gaudium, n. 127)

Oração de São Francisco


terça-feira, 21 de março de 2017

3ª Semana da Quaresma - Terça-feira


"Javé é bondade e retidão, e aponta o caminho aos pecadores" (Sl 24, 8)

Quando nós, com retidão, reconhecemos nossos erros, ainda que supliquemos apenas tempo para aprendermos, o Senhor tem compaixão, liberta-nos de nossas angústias e perdoa todas as nossas faltas, ainda que não o peçamos (Mt 18, 27), tal é a grandeza do poder de Deus diante daquele que tem fé.


“De agora em diante, queremos, de todo o coração, seguir-te, temer-te, buscar tua face; não nos deixes confundidos, mas trata-nos segundo a tua clemência e segundo a tua imensa misericórdia; liberta-nos com o poder de tuas maravilhas e torna teu nome glorificado, Senhor”
(Dn 3, 41-43)

Paz e Bem!

domingo, 8 de janeiro de 2017



Hoje é a festa da EPIFANIA DO SENHOR
Epifania é uma palavra de origem grega que transmite a ideia de uma revelação ou inspiração especial com natureza divina. No calendário litúrgico católico romano é celebrada, como festa religiosa, no Domingo após o primeiro de Janeiro.
Como, em 2017, o 1° de Janeiro, dedicado à solenidade de Maria, Mãe de Deus, foi em um domingo, então a solenidade da Epifania dar-se-á no segundo domingo. E, por circunstâncias do calendário gregoriano e para organizar as meditações da Páscoa anual dos cristãos, que tem o inestimável auxílio do calendário litúrgico, a festa do Batismo de Jesus - na qual se relembra a Epifania a S. João Batista - será na segunda-feira seguinte (09), por a solenidade que a precede ocorrer em dia 07 ou 08.
Todas essa detalhada organização celebrativa traz para nós, católicos, um conjunto de leituras e orações diárias, reflexões e ações específicas, de caráter místico, litúrgico e prático que estão incluídas no TEMPO DO NATAL, o qual teve início no dia 24 de dezembro e se prolonga até o Batismo de Jesus.
Hoje, também conhecido como SANTOS REIS, contemplamos um dos grandes mistérios da nossa fé: a ENCARNAÇÃO DE CRISTO, a força da Palavra divina que se faz carne. Mas de um modo especial, não apenas seu "nascimento" para o mundo, mas o especial recolhimento de coração que, por ação do Espírito Santo, revela ali a presença de Deus humanado. A fé que no ser humano Jesus de Nazaré está o próprio Criador de tudo.
E o símbolo, o sinal, está não apenas na natureza, na estrela de Belém, ou em acontecimentos maravilhosos como o coro de anjos, ou na realização de profecias, mas no discernimento humano de três "reis magos" que se dispõem a submeter sua realeza e realidade mundanas (do mundo) ao que é maior e eterno.
Por eles, aprendemos que é preciso meditar nas coisas do alto, aplicarmo-nos a distinguir o que é de Deus e dar-Lhe o que de melhor temos. Isso é parte dos ensinamentos do Natal. Nesse caminho, Deus acompanhar-nos-á e Dirá o que devemos fazer em prol do crescimento do Seu Reino em nós e no próximo.
Por outro lado, vemos a junção da simplicidade de um nascimento em uma manjedoura, que tanto impactou Francisco de Assis, com a oferta de preciosidades da Terra (ouro, incenso e mirra). Mesmo sem buscar simbologias, com a beleza e ensinamento valioso que contêm, vemos que Deus quer nosso coração, não nossa riqueza ou pobreza material. Estas são caminhos do mundo para cada um, em seus desafios, aprender a trilhar e não deixar que afastem de Deus, do próximo, da família, do oprimido e da Fraternidade universal.
Paz e Bem!
Feliz Natal!

"A estrela, que tinham visto no Oriente, ia adiante deles, até parar sobre o lugar onde estava o menino. Ao verem de novo a estrela, os magos sentiram uma alegria muito grande. Quando entraram na casa, viram o menino com Maria, sua mãe. Ajoelharam-se diante dele, e o adoraram." (Mt 2, 9-11)

domingo, 2 de outubro de 2016

Almoço dos Pobres 2016

Na sequência das atividades da Festa de  São Francisco, hoje foi servido com muita alegria o tradicional Almoço dos Pobres, no Convento.

" haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimentô" (Lc 15, 7)

domingo, 24 de julho de 2016

Curso de Cargos promovidos pela equipe do Conselho Regional PB/RN.

Hoje (24 de Julho de 2016), com muita alegria e entusiasmos, nossa fraternidade secular da OFS sediou um dos últimos encontros do Curso de Cargos promovidos pela equipe do Conselho Regional. Na oportunidade, aprendemos mais ainda sobre os serviços que podemos nos colocar a disposição em prol da fraternidade.
Estiveram presentes os irmãos das fraternidades de Ceará-Mirim, de Santo Antônio (do Salto da Onça), do Conjunto Soledade II (Natal), Cidade Satélite (Natal) e nós os anfitriões.







segunda-feira, 20 de junho de 2016

Festa Junina

A alegria e diversão marcaram a realização do  Arraiá do São Chiquinho.  
19 de Junho de 2016



 
 
  
Assistente Espiritual Frei José Soares


Vivência em fraternidade.

Viver em fraternidade é dividir a dor e somar a alegria com o próximo.

“Seculares, vocês são o remédio, a solução dos problemas do mundo” quando vivem seu carisma franciscano a serviço do próximo”. Segundo São Paulo, quem ama o próximo cumpre a Lei (cf Rm13, 8-10), portanto, viver em fraternidade é a pura prática do amor ao próximo.






Fraternidade São Francisco de Assis presente na 2ª Caminhada da Solidariedade.




Caminhada da Solidariedade é uma ação realizada pela Arquidiocese de Natal em parceria com outras instituições da sociedade civil e organizações governamentais que visa desenvolver a cultura da solidariedade como instrumento de transformação social.
Participam da iniciativa: Clero, agentes de pastorais, missionários/as, atores diversos que trabalham a criança e adolescente, jovens e adultos, artistas, empresários, sindicatos, instituições da Sociedade Civil, comunidades diversas, poder público e pessoas de boa vontade.
Beneficiários: Crianças, adolescentes, jovens e adultos em estado de vulnerabilidade social.


Programação: 07h – Missa | 08h – Caminhada | 11h – Encerramento

Saída: Santuário dos Mártires – Av. Miguel Castro, bairro Nazaré          Chegada: Catedral Metropolitana de Natal


sexta-feira, 8 de abril de 2016

Papa Francisco publica encíclica sobre a alegria do amor


Foi publicada na manhã de hoje, dia 8 de abril a Exortação Apostólica pós-Sinodal do Papa Francisco sobre a família, “Amoris laetitia”. O texto de nove capítulos apresenta os resultados de dois Sínodos dos Bispos sobre a família ocorridos em 2014 e 2015. 
Para saber mais:
Baixe a íntegra da carta do Papa Francisco sobre o amor na família: http://goo.gl/RXfmZS . Ou leia a síntese: http://goo.gl/haeMyJ

domingo, 27 de março de 2016

Retiro Espiritual Franciscano 2016




QUANDO?  Nos dias 22 a 24 de janeiro de 2016


ONDE?  No Convento Ipuarana que se localiza no município de Lagoa Seca, no estado da Paraíba.  

O QUÊ ? Retiro Espiritual Franciscano com o tema: "Recomeçar a partir do Evangelho: Nossa regra, Nossa vida".

QUEM ? Missa de abertura com Frei Aureliano e partilha dos temas com os Frades Juscelino e Beto. 
A Fraternidade São Francisco de Assis se fez presente com alguns irmãos da OFS Natal/RN.


Capítulo Eletivo Local: Fraternidade São Francisco de Assis - Natal/RN

No dia 20 de março deste ano, na sede da Ordem Franciscana Secular: Fraternidade São Francisco de Assis, aconteceu o Capítulo Eletivo Local – Natal/RN.
 Para ajudar e presidir o capítulo estava presente o vice-ministro do regional PB/RN Charles Bezerra do Nascimento.


FREI JOSÉ (ASSISTENTE ESPIRITUAL)





Apresentação dos novos iniciantes.

Bernardete e Ana Cristina (1º ano de formação)



Vice-ministro do Conselho do Regional Nordeste B1 (PB/RN)

Membros do Conselho da gestão anterior.



Membros do novo Conselho.


Mensagem de Páscoa do Ministro Geral da OFS


Roma, 20 de Março de 2016.
Domingo de Ramos da Páscoa do Senhor.
Sem dúvida Cristo ressuscitou!
Queridos irmãos e irmãs,
Que o Senhor te conceda a paz!

Eu lhes envio as minhas saudações mais fraternas, com uma das saudações mais antigas entre os cristãos: alegramos-nos porque Cristo ressuscitou! Nosso Pai misericordioso, que está no céu não permitiu que a morte vencesse a vida. Os primeiros cristãos do primeiro século usaram a saudação: Cristo ressuscitou! E responderam: sem dúvida ressuscitou! Este é o centro da nossa fé e os primeiros cristãos sabiam que isso deveria ser continuamente professado e compartilhado com todos. Que alegria ter este cumprimento como se fosse o nosso pão de cada dia! A luz não se pode esconder, a alegria deve ser compartilhada!
Nós somos mensageiros da ressurreição. Devemos dar testemunho de Cristo que morreu pelos nossos pecados, segundo as Escrituras; ...Ele foi sepultado, e... ressuscitou ao terceiro dia, segundo as Escrituras (cf. 1 Cor 15.3-4). Ser apóstolos da Boa Nova pertence à nossa vocação e missão franciscana.
A salvação vem da cruz, morte e ressurreição de Cristo que renovou o mundo. Vivemos em um admirável mundo novo, mas às vezes gostaria de ver mais provas disso. Somos chamados a viver, trabalhar e cumprir nossa vocação e missão neste mundo renovado.
A obra redentora de Cristo, que principalmente refere-se à salvação dos homens, também inclui a renovação de toda ordem temporal. Daí a missão da Igreja não é apenas levar a mensagem e a graça de Cristo aos homens, mas também aperfeiçoar a ordem temporal com o espírito do Evangelho. No cumprimento da missão da Igreja, os cristãos leigos exercem seu apostolado na Igreja e no mundo, tanto na ordem espiritual como na temporal. Estas ordens, embora distintas, são muito ligados em um único plano de Deus que Ele mesmo pretende levantar todos em Cristo e é uma nova criação, inicialmente na terra e completada no último dia. Em ambas as ordens dos leigos, sendo fiéis e cidadãos, devem ser realizados de forma contínua pela mesma consciência cristã. (Vaticano II, AA. 5.)
Há mais de quarenta anos, temos sido chamados a desempenhar esta missão. É hora de olhar para dentro de nós mesmos e começar de novo. Nós sempre podemos renovar nossas vidas e, assim, continuar a sermos parceiros na renovação de Deus. E a Páscoa é um momento especial quando podemos comemorar e desfrutar do amor de Deus que não tem fim, e experimentar como este amor pode renovar o mundo unindo o nosso amor e nossos esforços a Deus. Sede misericordiosos, como também vosso Pai é misericordioso (Lucas 6-36).
Esta é uma Páscoa especial para nós, porque este é um ano especial. A celebração é sempre especial, mas aprofundar a misericórdia de Deus e dar graças para o ano tem algo ainda mais importante. Deus nos assegura sua misericórdia e convida-nos a ser misericordiosos como ele. Nesta carta eu gostaria de convidá-los para completar a nossa alegria pascal com a decisão de fazer um esforço maior para testemunhar a ressurreição, distribuindo o amor misericordioso do Pai que está nos céus.
Durante este ano da misericórdia, nossa vida deve ser caracterizada por sermos misericordiosos. O que poderia construir melhor as nossas fraternidades senão a misericórdia divina?
A misericórdia é a primeira característica de Deus. É o nome de Deus. (P. Francesco-Andrea Torniello: O nome de Deus é misericórdia, 2015). Acreditamos que a nossa Ordem é guiada pelo Espírito Santo, que confessou que São Francisco é o verdadeiro Ministro geral da Ordem, e que o Pai nos dá o Seu amor eterno. Eu acho que nada pode criar um verdadeira fraternidade melhor do que a misericórdia de Deus, que nos convida a sermos todos misericordiosos.
Devemos sempre e especialmente este ano, lembrarmos-nos de viver e agir com consciência. Porque o que vai acontecer, se seguirmos as obras de misericórdia corporais e espirituais, é que nossas fraternidades se tornarão mais vivas, teremos uma melhor compreensão das dificuldades e das misérias daqueles que nos rodeiam e vamos ser mais compassivos e, assim, levar o amor e a misericórdia de Deus ao mundo. Não é isso, a missão apostólica que brota da nossa vocação?
Neste espírito, convidamos você nesta Páscoa para conhecer e experimentar as obras corporais e espirituais de misericórdia, especialmente em nossas fraternidades, mas também trabalhar no mundo, no lugar e no momento em que foram colocados.
Eu sei que o testemunho daqueles irmãos e irmãs que alimentam os famintos e dão de beber a quem tem sede de muitas maneiras: em cozinhas, arrecadação de alimentos, e convidando aqueles que estão lutando em suas casas e em suas fraternidades. Que bênção serem instrumentos do Senhor, quando o Pai no céu os alimenta (Mateus 6:26). Este tipo de solidariedade e compaixão deve caracterizar a nossa vida fraterna dentro da Ordem. Devemos estar atentos às necessidades dos nossos irmãos e irmãs, tanto na nossa fraternidade local, como internacionalmente. As diferenças entre as fraternidades nacionais, envolvendo os nossos irmãos e irmãs são grandes, e como irmãos e irmãs, nós sempre devemos trabalhar nesta obra mundial de solidariedade e fraternidade.
Muitos no mundo estão privados de dignidade e de segurança social que se caracteriza pelos bens materiais essenciais. Ter uma casa para morar, um lugar de refúgio e um lar para a família é o que todo ser humano merece. Nossa tentativa de vestir os nus, e abrigar os peregrinos é parte de como construir um mundo mais fraterno e evangélico para a realização do Reino de Deus na terra (Regra 14).
Você também tem que cuidar daqueles que não têm liberdade de movimento, como eles são forçados a permanecer em suas casas por várias razões, ou estão em hospitais ou prisões. Os doentes, os idosos, são nossos irmãos e irmãs mais próximos. Visitar os doentes e presos é uma forma privilegiada de expressar o quanto Deus nos ama: é Ele quem dá o primeiro passo, e apesar de nossas capacidades, é ele que chega perto. É Ele que nos amou primeiro, e seu amor é verdadeiro, porque não espera qualquer recompensa. Esta é também uma excelente oportunidade para experimentar o que para Deus significa liberdade: liberdade de espírito, da alma, liberdade para amar.
Enterrar os mortos não significa apenas proporcionar um belo funeral, mas é também redescobrir a dignidade da vida humana. Temos de acompanhar aqueles que estão prestes a enfrentar um retorno à casa do Pai e o acompanhamento fraterno é extremamente gratificante para todos. É um privilégio ajudar alguém que está pronto para passar a última porta e ver que a vida na Terra é apenas uma primeira parte curta, de tempo que leva a vida eterna. Sem dúvida Cristo ressuscitou!
Tudo isso é uma parte importante da nossa presença global e nosso trabalho para a Justiça, Paz e Integridade da Criação.
Gostaria também de chamar atenção para o que as obras da misericórdia espirituais possam trazer o crescimento de nossas fraternidades. E quando falo de fraternidade em primeiro lugar, mas não só, eu quero dizer a fraternidade local, porque elas são o primeiro e principal lugar onde vivemos nossa vocação.
As obras de misericórdia espirituais são atos de amor e compaixão fraterna, derrubando paredes, construindo a unidade e trazendo todos para mais perto de Deus. Onde há misericórdia e discrição, não há superficialidade nem dureza (Adm XXVII).
Temos de encontrar o grande tesouro que Deus nos deu nessas ações.
Temos que melhorar a formação, em termos de recursos humanos, cristãos e franciscanos. Isto também deve incluir dar conselhos aos que necessitam e ensinar o que não sabem. Somos responsáveis uns pelos outros, caminhar juntos de mãos dadas em nosso caminho vocacional.
Os pecados envenenam as fraternidades, tanto ocultos ou manifestados. Muitas vezes temos medo de admoestar uns aos outros, muitas vezes somos tímidos, mas devemos advertir os pecadores como um ato de fraternidade, tentando encaminhá-los para o caminho certo, com amor e espírito fraterno.
A advertência não é uma condenação ou sentença, mas uma abordagem amorosa para restaurar os laços fraternos feridos. Ela pode ser o primeiro passo para a reconciliação, ajudando uns aos outros a reconhecer os nossos pecados e nos reconciliar com Deus e com o próximo. A reconciliação contém a plenitude do amor. Da mesma forma, muitas vezes os nossos irmãos e irmãs, e até nós mesmos, sentimos uma perda, estamos indignados, feridos. Nós construímos nossa fraternidade quando consolamos os aflitos e mesmo quando suportarmos pacientemente as pessoas feridas. Ser paciente é restaurar a paz no coração, a paz que vem do Espírito Santo, o Consolador. Através destes atos entregamos a fraternidade ao Espírito, e com este Espírito, cada um de nós pode perdoar as ofensas.
Finalmente, quando oramos a Deus pelos vivos e mortos, lembramos que nossas fraternidades estão sempre crescendo. Não se esqueça que o número de membros visíveis da fraternidade não é real. Temos muitos, muitos irmãos e irmãs santos que estão intercedendo por nós e que são verdadeiros membros da nossa fraternidade.
Com essas ações, seremos instrumentos da misericórdia divina, e daremos glória a Deus de nós mesmos.
O ano da misericórdia é um grande tesouro, uma oportunidade para todos nós crescermos na fé e no amor.
Há outro ponto importante, como um breve resumo ou conclusão do que está escrito acima. Quando nos lembramos o lema deste ano, lemos o Evangelho de Lucas: Não julgueis para que não sejais julgados; Não condeneis, e não sereis condenados; Perdoem e sereis perdoados; Dareis e recebereis; uma boa medida, calcada, sacudida e transbordante será dada a vocês. Pois à medida que usarem também será usada para medir vocês". (Lucas 6,37-38).
Parem de julgar e condenar, perdoem e se doem aos demais. Três breves pontos, que são essenciais para a nossa vida fraterna. Três passos na vida espiritual, três tijolos ou pedras que são colocados um por cima do outro. A primeira é a condição do segundo, e o segundo é condição do terceiro. Temos de começar a parar de julgar e condenar, assim seremos capazes de perdoar, e uma vez perdoando, nós vamos ser capazes de doar-nos uns aos outros. Lembremo-nos que, uma medida transbordante será em nós derramada!
A misericórdia de Deus nunca é um estímulo para continuar as práticas ruins, mas uma luz focada em um novo caminho a seguir. Entremos neste caminho agora, agora mesmo! Vamos deixar que Deus renove a nós e nossas fraternidades!
Que Cristo, o Senhor ressuscitado sea nossa alegria e nossa ajuda. Cada um de vocês estão em meus pensamentos e minhas orações. Vos envio minhas mais pessoais e fraternas saudações.
Seu irmão e ministro,
 Tibor Kauser

             Ministro General da OFS